Atenção!

Esse site é impróprio para menores de 18 anos.

Ediyporn

< voltar

Carta para o HIV

Texto de Marcos Visnadi

para Maria Mejia e Pablo Pérez

 

a alma é húmida

– Al Berto, O anjo mudo

sem destino
nem destinatário
acordei sem deus
sem estar acordado
numa grande fila
sem antepassados
meus amigos mortos
mas acordo:

meus amigos vivos
e eu também

ainda tenho
as mãos boas
por quanto tempo
ninguém sabe
e não importa
quanto tempo
você tem
ninguém sabe
também

o tempo
meu amor
empapado
nas nossas células
nos protege
contra o vácuo
que o universo
nos promete
e vai inflando
por dentro
dos núcleos
multiplica
e explode
ficamos cheios
da carga do tempo
o resto é medo
e amor que nasce

morrer antes
de todos
os meus amigos
ou pra sempre
no pensamento
positivo
vitaminas e exercício físico
o exame periódico da glicemia
e o cd4 controlado
um marido com plenos direitos
janta, sonho
da casa própria
e do mestrado
sobreviver
com os mais felizes prognósticos

para quê?

*

como é que faz
se o meu corpo me diz
não te quero mais
e falta tanto por descobrir
o povo tem fome
de cravos da índia
as caravelas esperam
feito águas-vivas
do porto desbravaremos
continentes

mas não eu
coberto de escorbuto
prévio a negra peste
mãos esquálidas sem remo
fico jovem
nem pra velho do restelo
as portuguesas choram
as noivas ficam por casar
o mar engole meus companheiros
num futuro de horizonte
terra redonda que some

e eu
manhã
que medo
acordo tremendo
deitado na areia
rápido esfria
a madrugada
sem água
o sol queimando
o sarcoma de kaposi
naufrágio na terra
dos meus pais
como é que eu faço
se o meu corpo me disser
não te quero mais?

a sífilis
descoberta epidêmica
no século quinze
matava rápido como a aids
nos anos oitenta,
se esperar
século trinta
vencerá
as novas formas
epidêmicas
me deixarão
datado entre a praga do século
um romance
de moças nas montanhas
tísicas tirando
as costelas em resguardo
de pureza e de sexo e uma gripe
mais forte e uma cura
qualquer

deus antes de ir-se me deu
a historicidade das doenças
para que eu não me aborreça

tudo vai e tudo é vão
deus nos deu só o que é bom

*

todas as tartarugas
rompem ao mesmo tempo
ou quase
seus ovinhos
de casca mole pra répteis
tão duros, nascidos nos dinossauros
depois atravessam
uma vez eu vi
na televisão que uma cidade
tinha migração de sapos no meio das ruas
ou seriam aligátores
crocodilos mais que grandes
mal nascidos e já migrantes

depois
conseguiram um salário
e contas a pagar
subiam a correnteza
pulando contra as águas
para desovar
a menos que um urso
os agarrasse
para viver

nos reunimos
eu e os bichos
a trocar experiências
eu conto que contraí uma doença
e antes disso era hippie
embora tudo seja meia verdade
mantivemos a música dramática
depois comemos salgadinho
enquanto os colegas de trabalho
balançavam a cabeça
compadecidos e diziam
“que dureza…”

duro
é o que eu tenho entre as pernas
que acorda
apesar de tudo
mesmo quando eu não quero
e sai da toca
se arrasta na areia
e chega no mar

grande água na nossa carapaça
sal e rumo sem fronteiras de correntes
no entanto solte um bote à deriva
ainda que afunde ele chega
ainda que aporte ele entrega

filhotes de futuro diluídos no presente
antigas técnicas de decantação me são passadas
depois de tantas vezes que eu não morri
durmo adulto sobre os bens adquiridos
mas faço, da matéria que não tenho:

um casco que sustenta
às minhas costas, quatro elefantes

nas suas trombas, continentes,
tudo o que você quer
mas também tudo

aquilo que ninguém nem imagina

existir